Le Petit Dassine

Fotos: TOM DIB

Uma é artista mineira do mundo, sempre inquieta e disposta a armar tendas e partir à procura de novos sonhos e caminhos. A outra, uma economista paulistana, especialista em constelações familiares, cartomante, em busca de histórias e perguntas. Juntas se lançaram ao desafio de criar  A Tenda e Le Petit Dassine cores e intuições para um Oráculo LeNormand.

Ddaniela Aguilar e Sonia Fariah, em exposição na galeria Monica Filgueras, em SP

Ddaniela Aguilar e Sonia Fariah, em exposição na galeria Monica Filgueras, em SP

O projeto em pesquisa desde 2011, uniu os destinos de Ddaniela Aguilar e Sonia Fariah e virou proposta expositiva – Instalação e Laboratórios Experimentais. Exibida durante o mês de abril na galeria Monica Filgueras, em São Paulo, a exposição agora se prepara para alcançar novos rumos.

Nessa entrevista ao portal Mundo Leitura, as duas falam sobre hibridar sonhos e histórias com elementos de cartomancia e todo universo criativo que inspirou e ainda move essa experiência.

MUNDO LEITURA: Le Petit Dassine é resultado de uma intensa parceria criativa entre vocês duas a partir de diferentes linguagens que unem arte, pesquisa e criação de textos. Como surgiu a ideia de criar esse projeto e produzir uma exposição inspirada no oráculo Lenormand?

Ddaniela e Sonia: Ddaniela Aguilar realiza instalações artísticas no formato de tenda desde 2007, com o Projeto Sonhos Mutantes. Uma tenda formada pelas obras que delimitam um espaço íntimo para  abrigar os sonhos e as historias das pessoas. Os visitantes eram convidados a escrever seus sonhos. Os sonhos revelados em uma cidade seriam lidos por outras pessoas em outros lugares onde as tendas fossem montadas e intervenções artísticas coletivas foram acontecendo. No meio desse processo, as pessoas olhavam para a artista e perguntavam sobre as cartas.

– Cartas, que cartas?

– As cartas do baralho para você ler para a gente.

– Mas, não tem carta…

Tinha. As pessoas perceberam que tinha carta dentro da tenda. A artista reconheceu e deu jeito de materializar o oráculo que conceitualmente dá suporte para que a tenda, esse espaço intimo e criativo, seja recriado, simultaneamente, por várias pessoas.

Quando, em 2008, Ddaniela começou o processo de criação e pesquisa sobre os oráculos e cartomancia, ela me convidou para participar do projeto, que nesse momento tinha lá seus oráculos mas não se sentia em lugar de escrever sobre cartomancia. A artista insistiu no convite porque queria que nós duas desenvolvessemos juntas o olhar e a obra: hibridar sonhos e histórias com elementos de cartomancia, sustentando o conceito da tenda que cruza campos mórficos e fura tempo e dimensões com sua linguagem simbólica.
MUNDO LEITURA: Falem um pouco sobre as figuras femininas que de alguma forma inspiraram suas produções! Quem são Dassine Oult Yemma, a sultana tuaregue, e madame Lenormand? E como essas duas mulheres se fazem presente nesse trabalho?

Ddaniela e Sonia: Qual baralho realizar? Essa foi a primeira escolha. A figura de Madame Lenormand nos chamou muito a atenção.  Como seria essa mulher que lia cartas para Josephine e que esteve tão perto do poder, em plena França da Revolução?

Oráculos de Madame Lenormand, ponto de partida para a inspiração

Oráculos de Lenormand, ponto de partida para a inspiração

Madame Lenormand foi a maior cartomante de seu tempo e seu nome representa toda uma tradição de leitura das cartas que vem de rotas antigas e culturas ancestrais. Começamos a perceber que o sistema simbólico Lenormand, apesar de ser tratado como um oráculo menor, era extremamente rico e interessante, e ele continuou nos encantando com sua história, com sua estrutura sistêmica, semântica e sintaxe próprias. Escolhido o oráculo, pensamos em realizar as cartas em um formato redondo, feminino.

Mas apareceu um homem tuaregue dizendo que não. Eles nos contou que entre os tuaregues são os homens que cobrem o rosto, e que quem os vê com suas espadas, lanças e escudos não suspeita que esses homens vivam em igualdade com suas mulheres e nem que se deixem seduzir ao som de seus violinos tocados ao luar. Fomos pesquisar e nos encantamos por Dassine, que foi uma sultana tuaregue, escreveu poesias belíssimas sobre o amor e a paz, que nos revela esse momento histórico e cultural onde as mulheres viveram em paridade com os homens. Essas duas mulheres nos inspiram, cada uma em sua força e beleza. E há ainda a cartomante.

Cartomante é um nome carregado, muitas vezes quem lê as cartas prefere ser chamada de taróloga para tentar uma diferença com a outra, tida como embusteira. São as cartomantes que, há muito tempo, acolhem historias e desabafos das mulheres. Nem tudo podia ser contado para o padre. Nem tudo a gente quer contar para o padre. A cartomante nos inspira, particularmente.

Tenda de Le Petit Dassine

A Tenda e Le Petit Dassine

MUNDO LEITURA: A exposição acontece num momento em que o Brasil parece mergulhado em conflitantes sentimentos que oscilam do caos a intolerância, então como tem sido convidar as pessoas a viajarem no tempo conduzidas pela força dos oráculos e de seus próprios sonhos?

Ddaniela e Sonia: Quando o bicho pega lá fora, o território da tenda se mostra particularmente acolhedor para uma narrativa.  A linguagem simbólica é um recurso precioso para elaborar esses sentimentos conflitantes. Quem guarda o oráculo e coloca as cartas estende o seu espaço íntimo para que ele seja suficientemente consistente para sustentar a presença de duas pessoas diferentes. Somente com esse gesto o tempo já muda e as pessoas começam a se organizar em torno de uma narrativa humana transformadora. É o outro que me devolve. Na tenda, essa experiência é possível para as duas pessoas que compartilham presença. É um exercício e tem sido muito bom conversar com as pessoas e compartilhar incertezas, angústias e o não saber. Essa é a força da arte e do oráculo. Em outros ambientes e com outras abordagens, as conversas ficam mais polarizadas e tendem a ser mais rasas.

MUNDO LEITURA: De São Paulo vocês tem projetos de viajar para outros destinos, levar a exposição para outros lugares do Brasil?

Ddaniela e Sonia: Sim, temos convite para levar a exposição para Maceió e Belo Horizonte, ainda este ano. Estamos vivendo muito intensamente tudo o que acontece em São Paulo e estamos felizes com o acolhimento muito generoso das pessoas com o nosso trabalho. Além da  exposição  estamos realizando vários laboratórios experimentais com o oráculo. E como objeto conceitual da exposição, o oráculo vai receber um suporte, caixa preciosamente construída para ser guardado e protegido como elemento ritual.  Um livro sobre o oráculo Lenormand e seus aspectos sistêmicos, com uma descrição detalhada das cartas e dos jogos, será lançado no segundo semestre deste ano.


 

Para contactar o projeto A Tenda e Le Petit Dassine – cores e intuições para um Oráculo LeNormand,

escreva para: [email protected]


4 comentários

  1. Queridas Claudia e Simone, super obrigado pela reportagem. amei!!!!!!!bjs bjs

    1. Você é uma lindona! Te amamos muito!

  2. Queridas e belas Mulheres Deusas !!! Que lindo esta parceria entre vocês. cheia de beleza, encantos, magia e sabedoria.
    Parabéns pela nobre criação. Desejo que se multiplique em muitos corações e vidas. Assim que for em São Paulo, quero conhecer de perto. Muito grata e feliz por vocês. Amorosos abraços !!!

    1. Obrigada, Stephane!